Arquivo para outubro \26\UTC 2011

à rua

Desceu à rua em busca de algo
que ainda não existia;
do jeito que estava, era

Comprou o jornal e o
último de sempre
sem se esquecer de respirar
um só minuto

Gostou bastante de como
às vezes um gesto vazio
era só isso

Morreu assim mesmo

dia desse

dia desse,
de repente,
até o futuro
se torna presente

poética laboral

o bancário em mim faz greve
já o poeta segue firme na luta,
o filho da puta

códigos poéticos

um amigo que é programador de games se deparou com a seguinte sequência de códigos de programação:

[webView removeFromSuperview];
[webView renew];
webView = nil

tem rima, um bom ritmo e forma sem sombra de dúvida uma estrutura poética. e agora, quem se arrisca a dizer o que é isso? um neoconcretismo binário? uma nova direção para a poesia?

sem preconceitos, o artista deve estar ligado às possibilidades onde elas surgirem

por dentro

pra ser feliz você
vai fazer suas tentativas
e ninguém vai notar

a vida a gente
ainda vive por dentro