Arquivo de agosto \21\UTC 2008

minha poética mente

possibilidades passeiam

e são eternas enquanto

duram

despejam vontades

destroçam sonhos

e se esvaem

em vão

in sensoriais

não se desespere

com o que padece

tudo que parece, perece

afogamentos

bêbado bebendo bebida

que nada vai curar

as mágoas já sabem nadar

arrastão (mônica lie)

as mentes andam abertas
e as pernas também

sem culpa

bocas caladas que transam
buscar amor é só desculpa

* pequena crônica poética dos amores em tempos modernos… mais poemas da mônica em janeladejaula.wordpress.com